Armas Naturais

ARMAS NATURAIS

AS ARMAS DO KARATE KYOKUSHIN

Ao sermos atacados, devemos usar todos os meios ao nosso alcance principalmente a infinidade de golpes que podemos usar derivados de toda superfície dura que temos e não nos fixarmos unicamente nos golpes de mão fechada ou de pés, visto que de outras superfícies também duras, podemos desferir golpes decisivos, pois sabemos que o intermédio de técnica poderá libertar grande energia concentrada de qualquer parte do nosso corpo.

Sabemos que se desferirmos os golpes com as mãos fechadas, estaremos ganhando em velocidade, ao passo que ao utilizarmos as articulações dos joelhos e cotovelos que estão mais próximos do abdómen; ganhamos em força.

Na utilização do ataque deve estar a técnica e grau de aproveitamento do estudante. Dizemos isto tendo em vista que numa luta corpo a corpo, podemos usar a cabeça, as costas e as tíbias, mas para isto devemos estar certos em fracção de segundos de que estas superfícies também duras, não sairão feridas no ataque.

Alguns principiantes possuem algumas ideias muito erradas sobre certos pontos. Por exemplo, muitos cometem o grave equívoco de pensar que no soco e no golpe com o rebordo da mão, é suficiente retesar apenas a pele da área contundente. Evidentemente, isto é falso. Sem a cooperação do punho, braço, cotovelos e ombros, os socos perdem completamente a força destrutiva de uma arma. Deve lembrar-se sempre que o treino sistemático do corpo todo e a correcta coordenação das suas partes são essenciais para o desenvolvimento eficaz das armas do Karate Kyokushin.

SEIKEN – SOCO SALIENTE – Esta é a palavra certa para “Mão Fechada” de onde deriva o meio mais eficiente que podemos dar em resposta a um ataque.

Conseguimos um verdadeiro SEIKEN, dobrando as articulações dos dedos um por um, comprimindo a massa contra a palma da mão. Todas são apertadas fortemente pelo dedo polegar dobrado contra as segundas falanges do indicador e do médio. Desta forma não devemos deixar nenhum vazio dentro da mão fechada, fazendo com que ela forme um sólido e completo soco, não esquecendo de apertar bem o dedo mínimo, pois que é fácil de ser ferido, quando não prestamos a atenção devida nesta técnica.

Devemos prestar atenção à posição do punho para que esta seja correcta. Quando esta é certa o osso da articulação ocupa uma posição exacta podendo suportar choques violentos sem perigo, pois que o dorso da mão fechada produz um ângulo com o dorso do antebraço e eixo do mesmo passa entre as duas elevações do dedo indicador e do médio. É lógico que nesta posição podemos bater sobre faces duras sem correr o risco de fracturas. A borda de contundência, ou do soco saliente que toma contacto com o objecto a ser atingido, é a área mais importante. Deve acertar-se sempre com o que se chama de “bola do soco” (Kento) que é a base da articulação dos dedos indicador e médio.

URAKEN – SOCO INVERTIDO – Este soco é constituído da mesma forma que o soco saliente e a área de choque é idêntica, mas ao usá-lo viramos o lado de cima da mão para baixo. O soco invertido é vantajoso nos golpes ascendentes para atingir tanto o lado direito como do esquerdo ao rosto do adversário. Quando praticamos as técnicas do soco invertido devemos tomar cuidado para executar perfeitamente a rotação do punho para o lado de fora no instante do contacto. Usamos também o soco invertido em grande número de golpes descendentes.

SHUTO – CUTELADA – O golpe dado com o canto da mão, ou melhor, o golpe que corta ou cortante para os leigos “cutelada” é a mais conhecida resposta deste notável golpe. Só que há uma técnica especial, para que possamos usar a mão como uma verdadeira arma. Esta técnica consiste em manter em contacto os dedos alongados sem muita pressão e fechar o dedo polegar dobrado contra o bordo interno da mão. A mão fica sobre o eixo do antebraço e o punho, conserva-se firme e não dobrado. Notamos então que a mão aberta poderá resultar numa grande arma de ataque e defesa. Este golpe com o bordo externo da mão ataca os flancos, o pescoço do inimigo e também bloqueamos certos ataques. Feita ressalva nos ataques de pernas. Ao usarmos a mão em sabre, devemos usar somente a parte carnuda da mesma. À parte que vai do punho até a base do dedo mínimo. Se usarmos a outra parte em razão dos ossos, poderemos sofrer fracturas e entorses.

NAKAYUBI IPPONKEN – SOCO DO DEDO MÉDIO ARTICULADO – Saliente apenas a segunda articulação do dedo médio para fora. Esta posição tem o mesmo uso do soco indicador articulado.

RITOSASHIYUBI IPPONKEN – SOCO DO DEDO INDICADOR ARTICULADO – Coloque as articulações dos dedos indicador na frente, de modo que o indicador ficar mais proeminente que os outros. Serve para ser usado em golpes visando os pontos vitais ao rosto, pescoço e tórax.

NUKITE – LANÇA DE MÃO – Os dedos são estendidos firmemente para frente, com o polegar curvado para dentro na junção. Esta posição é usada nos golpes à região abdominal, ao nível dos olhos e maçã-de-adão.

IPPON NUKITE – LANÇA DO DEDO INDICADOR – Vire as costas da mão para cima ou para o lado dependendo do uso, e golpeie com indicador em riste. Visa, sobretudo a região dos olhos.

NIHON NUKITE – LANÇA DE DOIS DEDOS – Estenda completamente os dedos indicador e médio disponho-os em forma de “V”. Utiliza-se da mesma forma que a lança do dedo indicador.

TOHO – MÃO FIO DE ESPADA – Firme a mão com a palma voltada para baixo e o indicador estendido para o lado. O ponto de choque é a área curva entre o polegar e o indicador.

KOKEN – PULSO – Esta posição também é muito eficaz tanto na defesa como no ataque, embora a sua aplicação no ataque seja muito mais comum na luta chinesa (Kenpo) do que no Karate em geral. Podemos usá-lo em golpes descendentes, para dentro e para fora. Como neste caso, (para fora) usamos o pulso onde inúmeros nervos periféricos estão reunidos, a posição pode contundir a mão. Procure manter o pulso bem curvando para dentro e colocar toda a força na zona de atrito. Embora esta posição não seja muito usada, não devemos esquecê-la, pois pode ser muito eficaz.

SHOTEI – BASE DA PALMA – Esta posição da mão é usada tanto no ataque com o na defesa. Serve para a defesa interna e externa contra golpes de pontapés, e frequentemente nos ataques ao estômago e à face. Quando usada nos golpes é essencial tensar os cinco dedos.

TETTSUI – SOCO DE BORDA – Embora este soco seja contraído da mesma forma que o soco saliente, a zona de atrito é a área espessa na base do dedo mínimo. Uma vez que a Zona de atrito é a mesma da cutelada, seria conveniente praticá-los ao mesmo tempo.

KEIKO – MÃO DE BICO DE GALO – Embora mais usual no Kenpo, esta é uma posição forte na qual os dedos e o polegar estão firmemente fechados para formar um ponto; as costas da mão viradas para cima. A área de atrito é o ponto formado pelos dedos. Este golpe apresenta excelentes resultados à curta distância ou em linha horizontal.

HAITO – CUTELADA INTERNA – Quando convenientemente empregue, a cutelada interna é de muito mais utilidade que a simples. Para prepará-la, estendemos os dedos completamente e curvamos o polegar para dentro firmemente, de tal forma que este fique em contacto com a palma. Esta posição é usada com a palma da mão para cima e também para baixo. É utilizada como forma de defesa e também para o ataque.

HIRAKEN – SOCO SEMI – SERRADO – Dobre bem o polegar e o resto dos dedos na segunda articulação. Cerre-os firmemente na palma. Aplique-os na face do oponente com a região da palma em cheio, lateralmente e na área da orelha.

RYUTOKEN – SOCO DE CABEÇA DO DRAGÃO – O golpe é desferido com a segunda articulação da falange do segundo, terceiro e quarto dedos semi-dobrados. Este golpe provoca a paralisia dos membros atingidos, porquanto penetra profundamente no músculo afectado. Sempre é doloroso.

HAISHU – COSTAS DA MÃO – Empunhamos o Haishu idêntico ao”Shuto”, só que a área que usaremos serão as costas da mão. Usamos as costas da mão na utilização de defesas, de forma saliente, para que não utilizemos outras áreas de contacto.

KOTE – ANTEBRAÇO – Esta é uma parte usada principalmente para “bloquear”, e a mais usada numa luta no sentido de defesa. Por esta razão, recomendamos que todo o estudante treine fortemente seus antebraços no sentido de lhe dar força a musculatura. Como o bloqueio não é somente a interposição do antebraço ao ataque, mas joga em acto contínuo uma trajectória directa em si, serve também como superfície de bater. Podemos bater com a porção anterior do punho firmemente contra o braço ou o pé do adversário. Três das suas faces são usadas: a parte cortante interna do lado do polegar, a parte cortante externa do lado do auricular e a parte chata que compreende o osso do punho que não tem “fio” é mais usada para desviar golpes do que bloquear.

OYAYUBI IPPONKEN – SOCO DO POLEGAR – Aqui temos novamente uma posição de soco que, embora de pouco uso, vale a pena conhecer. É constituída da mesma forma que o soco saliente, só que neste caso, dobramos o polegar e pressionamos sua ponta firmemente sobre a segunda articulação do dedo indicador. Pelo facto de este golpe poder causar a morte instantânea quando usado em golpes acima da orelha ou na têmpora, o seu uso em tal circunstância é estritamente reservada aos alunos avançadíssimos. Não obstante, uma vez que a posição possui uma temível potência, é bom conhecê-la.

HIJI OU ENPI – COTOVELO – Se os golpes são dados com perfeição, pouca força é necessária para tirarmos proveito dos cotovelos. Os golpes dados com o cotovelo são mais aconselhados no corpo-a-corpo. Com a ponta do mesmo podemos bater no rosto, nos lados, abdómen, plexo solar e nos próprios ossos. Serve-nos nos bloqueios contra os golpes de pés. Podemos bloquear atingindo a tíbia do adversário, produzindo-lhe grande dor. Forma também um sólido com as partes musculares do braço de ambos os lados de si mesmo, vindo de um movimento circular do exterior para dentro.

ARMAS FUNDAMENTAIS – OS PÉS

Embora a quantidade das armas do Karate Kyokushin compostas pelos pés seja em número menor do que as da mão, e ainda que não estejamos sujeitos a contundir os nossos ossos tão facilmente, pelo facto da pele e da carne aqui serem mais resistentes, não devemos esquecer que, nos golpes dos pés necessitamos da ajuda do tornozelo, joelho para gerar a imensa força que desejamos. Com o pé (Ashi) podemos atacar e contra atacar em vista das suas numerosas superfícies. Por outro, o modo de ataque contra o adversário pode ser sempre vigoroso, pois a sua força advém do conjunto muscular da perna, que sem dúvida é maior do que a do braço. Também serve para bloquear. É preciso que em vista da grande massa muscular usada, treinemos com insistência a velocidade necessária para as técnicas empregadas.

SOKUTO – CUTELADA DE PÉ – É a parte cortante do pé, cutelo, ou melhor, o lado exterior, conhecida como sabre do pé. Usamo-los em golpes laterais (Yoko Keage, Yoko Geri) e nos golpes de pé “ esmagador ” (Kansetsu Geri). Devemos bater com a parte próxima do calcanhar e não dos artelhos para não sofrermos fracturas.

CHUSOKU – BOLA DO PÉ – Esta posição é eficiente para pontapés frontais no estômago ou pontapés circulares no queixo e costelas do oponente. Quando usar a bola do pé, procure manter os dedos dobrados para trás, o mais longe possível, pois isto fortalecerá a zona de contacto. Os pontapés com a bola do pé exigem uma numerosa acção elástica dos joelhos. O seu efeito é semelhante ao do soco saliente.

HIZA – JOELHADA – Usamos o joelho para atacar o baixo-ventre, a face ou as costelas do oponente que nos tenha agarrado. Além disto, de vez em quando, puxamos a cabeça do adversário para baixo e acertamos-lhe com o joelho. O músculo que supre a força principal para as joelhadas é a coxa. Para usar efectivamente os joelhos deve ter-se umas ancas fortes. Quando desferir a joelhada, certifique-se que mantém os dedos apontados para baixo. A joelhada tem um efeito semelhante à cotovelada.

TEISOKU – ARCO DO PÉ – Neste golpe usamos a parte interna lateral do pé. Podemos usar este golpe tanto como forma de ataque como de defesa.

KAKATO – CALCANHAR – O calcanhar é eficaz nas volteadas e coices no abdómen e na face do oponente. É também uma boa arma para o golpe final, quando o adversário está caído, ou como meio de contra golpe quando você estiver caído no solo.

HAISOKU – PEITO DO PÉ – Utiliza-se o peito do pé, para pontapear em golpes circulares como as costelas do adversário, estômago, face, pescoço e coxas. Esta parte do pé é um dos golpes preferidos da maioria dos Karatecas e imprime um golpe certeiro, forte e eficaz, num movimento onde deve manter todos os dedos juntos e esticados.

TSUMASSAKI – PONTAS DOS PÉS – O golpe com as pontas dos pés é um golpe muito poderoso, mas muito arriscado em contundir as articulações dos dedos dos pés. Serve de prolongamento dos golpes tanto no pontapé frontal (Mae Geri – Ura Mawashi Geri) como no pontapé circular (Mawashi Geri). Às vezes um golpe normal não consegue atingir o adversário, então arriscamos um golpe com o prolongamento das articulações, no caso as pontas dos pés (Tsumassaki).

SUNE – CANELA – A canela é um óptimo e eficiente protector contra pontapés executados à altura da coxa. É também um eficiente meio de ataque em chutes baixos circulares às coxas do oponente. Mas para usá-la com eficiência é necessário que a”calejemos”, para poder suportar as batidas dos golpes ou a protecção contra pontapés.